As desigualdades que se tornaram visíveis durante a pandemia em Medellín 0 392

Medellín, Colômbia.

No dia 25 de março começou o isolamento na Colômbia devido à pandemia do coronavírus, naquele mês foi a primeira quarentena em todo o país e desde então o reflexo da desigualdade no país foi mais perceptível. E a segunda maior cidade do país, várias vezes premiada por sua política urbana inovadora, não ficou imune a essa situação. 

Em Medellín, como as desigualdades e as diversas formas de discriminação tornou-se mais forte com os meses que passavam. A informalidade, a fome, a saúde precária, a falta de oportunidades levaram muitos cidadãos a violar regras emanadas da presidência, como o isolamento obrigatório. Porque os que vivem nas periferias tendem a ter empregos informais, estão desligados dos serviços públicos domiciliares e têm necessidade especial de assistência médica.

É por isso que a covid-19 começou a se espalhar com incrível velocidade na cidade. Isso levou o prefeito Daniel Quintero a usar a militarização das áreas com maior número de infectados como estratégia. A Polícia e o Exército tinham a obrigação de vigiar as principais entradas e saídas de algumas comunas de Medellín e, ao mesmo tempo, a comunidade era obrigada a comunicar todos os seus movimentos em caso de necessidade de saída. 

Mas então nos perguntamos como sobreviver trancados quando milhares de famílias da cidade vivem do comércio informal, do que encontram nas ruas todos os dias? Nas periferias de Medellín viviam da solidariedade, da luta que as organizações sociais davam pelos seus territórios, pois, segundo nos contaram, não consideravam que a resposta das instituições fosse ao encontro das verdadeiras necessidades do povo. 

Davinson Alexander Zapata, líder comunitário da Casa de Encontro Luís Ángel García, na Comuna 3 – Manrique – de Medellín afirma que “embora tenha sido muito inovador ter uma plataforma como o Medellín Me Cuida para caracterizar as famílias, temos que nos perguntar: que implicações isso teve? e a resposta é: ignorância. Temos pessoas sem acesso à internet, pessoas que não sabem operar um computador e que necessariamente tiveram que se registrar nessa plataforma para receber ajuda do Estado ou para poderem trabalhar. Consideramos que a atenção das instituições à crise humanitária que o mundo vivia em Medellín, foi pensada muito a partir do condicionamento com programas tecnológicos, algo como se fôssemos um país de primeiro mundo, esquecendo que na cidade a grande maioria das pessoas está desconectada “ 

Da mesma forma, Davinson indica que “foi ilógico quando se constatou que o fato de uma pessoa receber subsídio do governo nacional, não poderia mais ter a cesta básica que foi entregue pela prefeitura, por quê? Suponha que uma família receba 80 mil pesos do programa Famílias em Ação, que é dado a cada dois meses, que já tirou o direito de que a administração local os ajude e é aí que devemos nos perguntar por que chegam os 80 mil pesos uma família com até 7 ou 8 membros? “

Por isso, em Manrique, os grupos e a igreja católica do setor da Quasiparroquia San Lorenzo Mártir se uniram e alertaram precocemente a Prefeitura por considerarem que mais do que militarização, os bairros da encosta precisam de apoio integral: alimentação, renda básica, saúde, educação … Alerta que só foi atendido quando os setores foram inundados com Covid. 

Na Morávia, Comuna 4, as famílias mais vulneráveis ​​ainda são acompanhadas por movimentos na área, como a Morávia Verdolaga, um grupo de moradores de bairros do território. Quando a pandemia começou, eles arrecadaram recursos e conseguiram distribuir mais de 300 feiras em um dos bairros mais vulneráveis ​​do setor, que é o Oásis, “embora valha a pena resgatar que muitos dos companheiros do combo pararam de comprar sua barra ou grama de papagaio para dar aquele dinheiro para comprar até meio quilo de arroz, não foi suficiente, porque a Morávia tem setores muito críticos. Por isso, com outras lideranças organizamos o Moraviaton e graças a isso conseguimos atingir 1000 famílias ”, afirmou Santiago Agudelo, um dos líderes. 

Santiago também disse que “o governo só apareceu quando viu que a comunidade estava se mudando, porque de resto os deixou em paz. Passou-se um mês e nesse setor nada se sabia sobre os mercados ou sobre os 100.000 pesos que iam ser entregues “por isso, como somos todos rebeldes, começamos a procurar o que fazer, pedir, bater em portas por causa do nosso povo Não estava me divertindo ”, concluiu Santiago. 

Morávia, Comuna 4 de Medellín. Foto: Yurany Alzate

Vivendo uma pandemia sem água

Segundo dados das Empresas Públicas de Medellín -EPM- cerca de 26.126 residências na cidade não têm água potável, sendo as comunas 1 Popular, 8, Villa Hermosa e 13 San Javier a mais afetados. 

E se você se pergunta por que no século 21, em uma das cidades mais inovadoras do mundo, ainda existem setores sem aqueduto, a resposta é fácil. As pessoas não têm onde morar nem como sobreviver, por isso quando chegam a este território procuram espaços para construir as suas casas, quase sempre nas encostas da cidade e por não estarem no Plano de Ordenamento Territorial, não têm direito a Na área, estão instalados serviços públicos domiciliares. 

E embora a EPM estivesse chegando com caminhões-tanque carregados de água para distribuir nos bairros que estão desconectados, segundo Luz Elena Ibarra, integrante da Mesa Interbairros dos Desconectados, não foi suficiente porque nas diferentes comunas há pessoas com doenças terminais, idosos que não podiam sair para buscar água, crianças ou simplesmente pessoas com deficiência que moram sozinhas e dependiam de um vizinho para levar água. 

Além disso, de meados de março a 31 de agosto, cerca de 1.200.000 colombianos puderam acessar, depois de muito tempo, serviços de água, banheiro ou eletricidade, graças ao Decreto Legislativo 580 de 15 de abril de 2020 que obrigou as empresas que prestam esses serviços vitais a se reconectarem, suspensas por falta de pagamento. Essa regra também dava a possibilidade de congelamento temporário das taxas, dando prazos para o pagamento das faturas sem cobrança de juros e a entrega de subsídios para pagamento das faturas dos estratos 1, 2 e 3, com recursos do Regime Geral de Participações (SGP).

Mas a partir de 1º de setembro essas cobranças começaram a chegar nas contas das famílias e segundo Ibarra “não tem diferencial, eles cobram como se a situação já tivesse melhorado e neste momento há famílias de 8 pessoas onde só 1 está funcionando, não temos como pagar essas contas. ” 

Ou seja, a pandemia continua e em breve na Colômbia teremos mais uma vez milhares de famílias desligadas dos serviços públicos por não poderem pagar.  

Comuna 8 de Medellín. Foto: Yurany Alzate

O que dizem as figuras? 

O desemprego e a pobreza aumentaram na Colômbia durante a crise humanitária devido ao Coronavirus, conforme indicado peloDepartamento Administrativo Nacional de Estatística DANE, seu último relatório – outubro de 2020- 661.899 pessoas entraram em pobreza monetária (sua renda mensal é inferior a 327.674 pesos ) e outros 728.955, sua situação piorou desde que entraram na pobreza extrema, com rendimentos inferiores a 137.350 pesos mensais. 

Além disso, também no DANE, em julho de 2020, a taxa de desemprego do país era de 20,2%, 9,5 pp mais que a registada no mesmo mês do ano anterior (10,7%). E a disparidade de desemprego por gênero era mais perceptível, a taxa de desemprego das mulheres era de 26,2% e a dos homens de 16,2%; enquanto, em julho de 2019, essas taxas eram de 13,6% e 8,6%, respectivamente. 

O que acontece com a educação em Medellín durante a pandemia?

O último relatório da Secretaria de Educação de Medellín, datado de 19 de agosto de 2020, indicava que até aquela data havia 8 mil jovens na cidade em risco de abandono escolar. Foram 6.542 alunos, com os quais professores e diretores perderam contato e outros 1.699 que expressaram não querer continuar os estudos durante este ano. 

Em Popular, Santa Cruz, Manrique, Aranjuez, Villa Hermosa, San Javier e Belén encontram-se até 600 jovens dos quais nada sabem em suas respectivas instituições de ensino. Jonn Mario Garavito, reitor do IE José Antonio Galán, em Comuna 3- nos disse que as estratégias da Prefeitura são muito regulares para atingir setores tão afetados por problemas socioeconômicos, como Manrique: este município está em risco de 793 alunos fora da escola. 

Por outro lado, para Manuel López reitor da Instituição de Ensino Eduardo Santos, na Comuna 13 de Medellín, disse que “na cidade não foram implementadas estratégias de nivelamento educacional para quem não podia continuar os estudos. Em Medellín o acompanhamento deve ser completo. É muito irônico que tentemos dar um computador quando não há conexão com a Internet ou quando as famílias estão simplesmente morrendo de fome ou há violência doméstica. Ninguém estuda assim ” 

A Administração também apura que 78% dos alunos durante a pandemia utilizaram as Tecnologias da Informação e da Comunicação – TICs em seu processo de formação, ou seja, apenas cerca de 22 em cada 100 alunos em Medellín Eles trabalham com guias físicos, mas para Manuel López Ramírez, reitor de Eduardo Santos, na Comuna 13 mais de 80% de seus meninos e meninas têm acesso a exemplares e outros, para poderem continuar seus estudos, por isso ele enfatiza que não Podemos chamar de educação virtual a comunicação que se tem com os jovens pelo WhatsApp, que é o que se faz nas escolas públicas. 

Aumento da violência de gênero

Na Colômbia, de acordo com dados da Medicina Legal até agora este ano, a violência contra as mulheres aumentou em 47%; Entre janeiro e maio, 16.473 mulheres foram vítimas de violência doméstica, ao mesmo tempo que foram realizados 7.544 exames médicos legais por supostas ofensas sexuais, das quais 6.479 eram menores.

E em Antioquia as coisas não são muito animadoras, porque é o segundo departamento do país com mais feminicídios. Em Medellín, entre janeiro e junho de 2020 – durante o confinamento – foram solicitadas 4.497 medidas de proteção contra a violência doméstica, 74% das vítimas são mulheres; Segundo o secretário de Segurança, nesses mesmos meses foram registrados 503 casos de violência sexual, dos quais 417 vítimas são mulheres; A 123 Woman Line recebeu 8.220 ligações e os incidentes registrados aumentaram mais de 200% em relação a 2019; Segundo o Observatório de Feminicídio da Colômbia, da Rede Feminista Antimilitarista, somente em Medellín ocorreram 16 feminicídios (14 em pandemia) e 4 transfeminicídios. 

Este artigo mostra apenas um pouco da situação a que estão expostas as famílias de baixa renda da cidade, cabe estabelecer que em Medellín a situação das famílias ainda é desanimadora, pois continuam em situação de risco enquanto as administrações agem como se já tivessem o vírus teria acontecido.

Foto: Yurany Alzate

*Acompanhe o trabalho do portal Morada Notícias, de Colômbia.

Assine a nossa newsletter