É falso que MST tenha destruído estação de energia no Amapá 0

Dandara Franco, especial pelo Comprova

  • Conteúdo verificado: Vídeo postado em diversas páginas do Facebook e do Twitter afirma que o MST destruiu estação de transmissão de energia no Amapá, insinuando que a organização teria responsabilidade pelo apagão recente no estado.
Falso
As imagens de um vídeo que viralizou são de 2017, quando um grupo de agricultores invadiu uma fazenda em Correntina, na Bahia, para protestar contra obras de irrigação que reduziram o nível de um rio da região – eles não são ligados ao MST.

É falso o vídeo que circula em diversos grupos no Facebook e no Twitter afirmando que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) é responsável pelo apagão que ocorreu no Amapá, no mês passado. A gravação mostra um grupo de pessoas destruindo postes de energia em um lugar indefinido e traz como legenda: “Militantes do MST destruindo uma estação de transmissão no Amapá. Isso a mídia podre não mostra”. Não é verdade. Como mostrou reportagem da Globo, essas imagens são de 2017, quando um grupo de agricultores invadiu uma fazenda em Correntina, na Bahia, para protestar contra obras de irrigação que reduziram o nível de um rio da região – eles não são ligados ao MST.

As causas do apagão, que se iniciou com um incêndio durante uma tempestade, ainda estão sendo investigadas, mas segundo o que o Governo do Amapá explicou ao Comprova, o vídeo não foi feito no estado e “não se tem nenhuma evidência de envolvimento do MST no apagão; trata-se de uma fake news”.

Também contatado pela reportagem, o MST disse que as acusações são infundadas e que “essas pessoas e esse tipo de ataque não têm nenhuma relação com o movimento”.

Como verificamos?

Por meio da ferramenta InVID, que faz busca reversa de imagens em fotos e vídeos, conseguimos encontrar links de reportagens da Globo de 2017 que exibiam o mesmo conteúdo e explicava o contexto em que a gravação foi feita. Também nos apoiamos em checagens feitas por outras agências de fact-checking e pesquisamos em sites de veículos de comunicação as causas do recente apagão.

Também pesquisamos os perfis que associaram o vídeo ao MST no Facebook e no Twitter e tentamos entrar em contato com algumas páginas, sem retorno. Por e-mail, contatamos a Secretaria de Estado da Comunicação do Amapá e, por WhatsApp, conversamos com a assessoria de imprensa do MST.

Verificação

Vídeo antigo

A gravação da postagem verificada é do início de novembro de 2017, conforme mostrou uma busca na ferramenta InVID, que trouxe uma reportagem do G1 sobre um protesto de agricultores em uma fazenda da empresa Lavoura e Pecuária Igarashi Ltda., em Correntina, na Bahia.

Os agricultores invadiram a propriedade em um ato contra obras de irrigação que reduziram o nível da água do rio Arrojado e, de acordo com o delegado ouvido na época pelo G1, eram ligados a “pequenas associações existentes nos povoados ao longo do Arrojado”. Ou seja, a derrubada dos postes de energia mostrada no vídeo não contou com a participação do MST e nada tem a ver com o recente apagão no Amapá.

O Comprova consultou o governo do Amapá por e-mail para questionar as informações do vídeo e das postagens feitas nas redes sociais. A assessoria do governo do estado respondeu em nota confirmando que o vídeo não foi feito no Amapá e tratou a publicação como uma notícia falsa: “O vídeo não é no Amapá. Também não se tem nenhuma evidência de envolvimento do MST no apagão. Trata-se de uma fake news”.

Em contato feito por Whatsapp, a assessoria de imprensa do MST também negou qualquer relação com o vídeo e com o apagão do Amapá. “Mais uma vez são acusações infundadas, essas pessoas e esse tipo de ataque não tem nenhuma relação com o Movimento”, diz um trecho da resposta ao Comprova.

O apagão no Amapá

No início de novembro, um incêndio atingiu uma subestação de energia em Macapá, capital do estado. Desde então, treze municípios da região ficaram sem luz. O racionamento de energia foi uma realidade vivida pelos moradores locais e a nova realidade gerou impacto na qualidade de vida dos amapaenses: também houve dificuldade em realizar compras que suprissem as necessidades básicas, já que, sem luz, os bancos não estavam disponíveis para sacar dinheiro e a maioria dos lugares não possuía sinal para compras no cartão. Além das atividades comuns, outro ponto de preocupação foi com a necessidade de manter os cuidados essenciais durante a pandemia.

Na primeira semana após o incêndio, um dos transformadores danificados foi recuperado, o que resultou no restabelecimento parcial da energia.

As investigações sobre o que de fato causou o incêndio ainda não foram finalizadas. Inicialmente, as informações apontavam que uma tempestade de raios teria sido a principal responsável pelo incêndio na unidade. No entanto, em um laudo recente, a Polícia Civil detalhou que o incêndio começou de forma interna, em uma bucha. A Isolux, empresa privada responsável pela unidade, vem enfrentando intimações da justiça federal para que o apagão no Amapá seja solucionado efetivamente.

Revoltados com a situação, os moradores do Amapá compartilharam em suas redes sociais os valores que costumam pagar em suas contas de luz. Os altos valores geraram indignação nos internautas e levantaram questionamentos sobre o preço abusivo.

Os autores

O vídeo da derrubada de postes na Bahia voltou a circular nas redes sociais no dia 26 de novembro de 2020, desta vez com o texto sugerindo que se tratava de um ato de vandalismo de membros do MST no Amapá. Segundo a plataforma de monitoramento CrowdTangle, houve 110 postagens do vídeo em páginas e grupos do Facebook até o fim da tarde de 30 de novembro, com um total de 1,7 mil reações.

As postagens aparecem em grupos de apoio ao presidente Jair Bolsonaro e a figuras ligadas ao governo federal como o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Das 110 postagens identificadas na plataforma, 45 foram em grupos que tinham no nome menções a Bolsonaro ou ao grupo político Aliança pelo Brasil.

Em pesquisa no próprio Facebook, aparecem ainda 80 publicações do vídeo feitas em perfis pessoais. As duas postagens com maior alcance apresentam no campo de busca um total de 3 mil e 2,7 mil visualizações, respectivamente.

Os vídeos foram publicados também no Twitter, onde houve 47 publicações nos últimos sete dias de novembro, segundo o CrowdTangle.

O Comprova tentou contato com alguns dos perfis que compartilharam esses vídeos com a afirmação de que se trataria de um ato do MST, mas não obteve retorno até a publicação desta verificação.

Por que investigamos?

Em sua terceira fase, o Comprova verifica postagens suspeitas que tenham viralizado nas redes sociais que tenham ligação com políticas públicas do governo federal, com a pandemia e com as eleições municipais.

É o caso das várias publicações deste vídeo nas redes sociais, que registrava 110 postagens e 1,7 mil reações no Facebook até o dia 30 de novembro. A falsa relação feita entre o vídeo filmado na Bahia em 2017 e uma suposta participação do MST no apagão do Amapá pode confundir a opinião pública sobre as causas do blecaute que deixou o Estado por mais de 20 dias com comprometimento no serviço de energia elétrica. Também pode reduzir a atenção à identificação de fragilidades no sistema de abastecimento do estado a fim de evitar repetições do mesmo problema.

O vídeo investigado também já foi verificado por outros veículos de checagem como a Agência LupaEstadão VerificaFato ou Fake e E-Farsas.

O Comprova já verificou outros conteúdos relacionados ao MST, como o que relacionava, sem provas, o movimento a queimadas na Amazônia e no Pantanal e o que afirmava que o Exército havia apreendido madeira ilegal ligada à organização – ambas as verificações foram classificadas como falsas.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Assine a nossa newsletter