É falso que boné utilizado por Lula com sigla CPX é em referência ao crime organizado Comentários desativados em É falso que boné utilizado por Lula com sigla CPX é em referência ao crime organizado 1318

É mentira que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), tenha utilizado um boné com referência ao tráfico de drogas no Complexo do Alemão nesta última quarta-feira (12). O candidato à presidência da república participou do evento “Favelas com Lula”, organizado por Rene Silva, ativista e fundador do jornal Voz das Comunidades, com apoio de lideranças e organizações comunitárias. No decorrer da caminhada pela favela da zona norte, o petista usava um boné vermelho com o termo “CPX”, que teve o seu significado alterado nas redes sociais para fazer uma referência às facções criminosas que atuam no território. Na verdade, o termo é uma abreviação da palavra “Complexo” e é bastante utilizado por moradores e até instituições públicas, como a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ).

Em entrevista para o Favela em Pauta, Rene silva comentou que os ataques e compartilhamentos de desinformação nas redes sociais são uma estratégia para descredibilizar um evento que teve uma repercussão muito grande na construção de um país democrático e igualitário. De acordo com ele, é a primeira vez que um candidato à presidência visita uma favela do Rio de Janeiro durante a campanha eleitoral.   

“Essa sigla não tem conexão nenhuma com facções criminosas ou significados relacionados ao crime. ‘CPX’ é uma abreviatura da palavra Complexo. De forma geral, as favelas do Rio de Janeiro possuem essa cultura de abreviar os nomes dos territórios. Na Penha, por exemplo, a abreviatura é “PH”, na Cidade de Deus é “CDD” e no Pavão-Pavãozinho-Cantagalo é “PPG” e por aí vai”, explica.

Convidada pelo Voz das Comunidades para participar da ação, Camila Santos, mais conhecida como Camila Moradia pela sua atuação à frente do Movimento por Moradia no Complexo do Alemão, foi a responsável por presentear o petista com o boné vermelho com a sigla “CPX”. Premiada internacionalmente pela luta por direitos humanos na Front Line Defenders 2021, ela destaca que esses discursos de ódio na internet são parte de um preconceito diário que a população favelada enfrenta. 

“Eles estão acostumados a nos olhar sempre pela mira de um fuzil. Infelizmente, para eles, só prestamos quando estamos os servindo. Quando voltamos para o nosso lar, nossa favela, e realizamos um evento de grande importância na luta dos direitos humanos e de um país democráticos, somos criminalizados. Deve ser difícil aceitar tanta gente preta e favelada ocupando espaços de poder para mudar a vida de tantos outros pretos e favelados. Não daremos nenhum passo atrás.  Estamos aqui pra lutar por nossos direitos. Contra a fome, com esperança e fé!”, comenta. 

Em nota, a campanha de Lula negou qualquer relação com o crime organizado. Além disso, destacou que os materiais enganosos sobre essa temática ofendem os moradores do Complexo do Alemão e de outras favelas que aturam para a possibilidade de realizar esse evento na última quarta-feira. 

Galeria: Lula no CPX do Alemão

Quem se dispôs a ir às ruas do Complexo do Alemão, viu o contrário do que a rede de desinformação vem espalhando por aí: muita gente feliz, sorrindo, orgulhosamente demonstrando apoio ao ex-presidente e candidato à presidência, Luiz Inácio Lula da Silva.

Muitas crianças e idosos foram ao encontro de Lula na Estrada do Itararé, que foi transformada em um mar colorido. O vermelho era predominante, mas o verde e amarelo, as bandeiras da comunidade LGBTQIAP+, de partidos diversos e tantos movimentos sociais específicos compuseram um prisma em favor da democracia e da esperança. Nessa galeria, tentamos mostrar o que foi possível sentir nesse dia intenso da visita de Lula ao CPX do Alemão.

Imagem destacada: Renato Silva | Colaborou: Renato Silva | Fotos da Galeria: Renato Silva | Edição de texto: Daiane Mendes

Matéria anteriorPróxima matéria

Assine a nossa newsletter