Siga o FP nas redes sociais

Sociedade

O que você precisa saber sobre o ato #VidasNegrasImportam

Michel Silva

Publicado há

no dia

O ato #VidasNegrasImportam, organizado pelo Movimento de Favelas do Rio de Janeiro, realizado no domingo (31/5) não é só mais uma manifestação. É o estopim para que as favelas não sejam mais alvos de operações policiais sem fundamento.

Os dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública traz preocupações que são antigas para quem nasceu e vive nas favelas do Rio de Janeiro. Em abril de 2020, a polícia matou 43% a mais do que em abril do ano passado, de acordo com análise feita pelo Observatório da Segurança.

No município de São Gonçalo, região onde o menino João Pedro, de 14 anos, foi assassinado durante uma operação conjunta da Polícia Federal e Civil, concentra 48,13% das mortes.

Já na área do 41°BPM, responsável por 15 bairros na zona norte do Rio, e onde o jovem Iago Cesar, de 21 anos, foi morto um dia antes de João Pedro, foi responsável por 58% das mortes ocorridas na área do batalhão.

Manifestantes seguram cartazes com frases sobre a realidade nas favelas. Fotos: Rithyele Dantas

Além de se preocuparem com possíveis invasões de policiais em suas casas, os moradores também precisam ficar atentos pelo que vem pelo ar. Segundo o laboratório de dados sobre violência armada no Rio de Janeiro e Recife, Fogo Cruzado, somente em 2019, houve 23 operações policiais com helicópteros sendo usados como plataformas de tiros. Ao todo, 37 pessoas foram baleadas nessas situações: destas, 27 morreram.

A manifestação é em protesto pelas pessoas assassinadas só neste período de pandemia da Covid-19. No estado do Rio de Janeiro, a polícia matou 606 pessoas em 4 meses deste ano, sendo 290 em março e abril, durante o isolamento social ordenado pelo poder público. 43% a mais do que no mesmo período do ano passado. Além disso, no dia 30 de maio, mais um jovem, Matheus Oliveira, de 23 anos, foi assassinado pela polícia nos acessos ao Morro do Borel, na zona norte do Rio.

Segundo um amigo de Matheus, eles estavam em uma moto voltando pra casa quando foram abordados por policiais que estavam na rua e se assustaram, atirando contra os dois. Matheus foi atingido na cabeça e faleceu no local. Ele trabalhava como barbeiro, motorista de aplicativo e era mototaxista. Não tinha operação policial na hora dos disparos.

Morrer por Covid-19 ou tiro de fuzil

Segundo os organizadores do ato, nem mesmo na maior crise sanitária do novo século que diversos países estão sofrendo com o novo coronavírus, as polícias do Rio deixaram de matar a juventude negra e pobre das favelas e periferias. As recomendações em todo o mundo é resguardar as vidas, mas a regra não serve para governos que já têm em suas estruturas práticas racistas e genocidas.

Na última semana, um caso que ocorreu nos EUA ganhou repercussão internacional. “Eu não consigo respirar!” foram as últimas palavras que George Floyd teve forças para dizer, enquanto um policial branco pisava sob o seu pescoço contra o asfalto. O episódio, que os negros de todo o mundo conhecem, ocorreu durante uma abordagem policial no Estado de Minnesota, nos Estados Unidos. Imagens dessa triste cena viralizaram nas redes sociais e despertaram ondas de protestos em diversas regiões do mundo.

“Aqui no Brasil, a população negra vive sob o jugo do braço armado do Estado, que age de forma genocida, atuando com uma política de morte contra os negros e favelados. No Rio, essa política fica bem explícita quando vemos o Estado entrando com o seu poderio bélico nas favelas, e não com serviços e direitos básicos”, explicam os organizadores do ato em uma carta.

Exemplo disso são as ações de solidariedade aos mais vulneráveis durante a pandemia do coronavírus, que foram frequentemente interrompidas por operações policiais. O Estado não entrou com alimentos e sim, com a morte, deixando corpos no chão.

#VidasNegrasImportam surgiu porque é necessário dar um basta a essa política que tira vidas. A principal exigência é o fim das operações policiais nas favelas para que possam freiar o genocídio negro e o fim da militarização da vida.