Websérie “Diaspóricas” reafirma presença histórica de mulheres negras na música nacional Comentários desativados em Websérie “Diaspóricas” reafirma presença histórica de mulheres negras na música nacional 227

diasporicas

As musicistas Lene Black, Sonia Ray, Érika Ribeiro e Nina Soldera, protagonizam a websérie goiana “Diaspóricas”.

A música brasileira é uma mulher negra. Diaspóricas é uma websérie documental sobre a Música Preta Brasileira que é feita pelas mãos, pelas bocas, pelos ouvidos e pelo sentir de mulheres que se encontram em Goiás. Mulheres cerradeiras, amefricanas, sonoras, pretas e centrais. 

A websérie Diaspóricas é um programa de vídeos seriados, do gênero documentário, com cinco episódios, caminhando pelos subgêneros poético e participativo, que busca dar visibilidade a narrativas de resistência de mulheres negras musicistas vivendo em diáspora, que têm, na música, um projeto político-afirmativo pelo direito de existir.

Em Diaspóricas há uma abordagem interseccional que discute temáticas das relações étnico-raciais, das relações de gênero e das vivências LGBTQIA+ vinculadas ao mundo da arte, principalmente ao fazer artístico de musicistas negras atuando no cenário musical da cidade de Goiânia, estado de Goiás.

A série celebra a negritude, o ser mulher e a música brasileira, a partir da conexão em África. Celebra também a resistência diaspórica de mulheres negras que utilizam seus múltiplos fazeres musicais como tática de existência. 

A websérie estreou a sua primeira temporada, com 5 episódios, protagonizados por 4 musicistas negras. Os 4 primeiros episódios têm duração entre 10 e 15 minutos e, cada um, tem uma única mulher diaspórica narrando suas lutas como mulher negra e como mulher lésbica – no caso do episódio 1 e 4 –, além do relato sobre as dificuldades e superações que encontram tanto na experienciação de ser negra, quanto na vivência de musicista. 

O quinto e último episódio, que tem 25 minutos, se trata de um encontro das 4 artistas diaspóricas, que puderam dialogar sobre seus processos de atravessamentos afromusicais, sobre as dificuldades e superações comuns que vivenciam juntas, mesmo sem se conhecerem. 

Diaspóricas são mulheres em atravessamentos afromusicais que se reconhecem mesmo não se conhecendo. Pela arte, pela negritude e pelo ser mulher, mulheres pretas e pardas se reconhecem como portadoras de tecnologias ancestrais para transgredir a sistemas de opressão.

O encontro culminou em uma performance musical por meio de um improviso de sonoridades, timbres e texturas sonoras, comprovando a perspectiva de que mulheres negras se conectam e encontram um comum umas com as outras, porque se reconhecem nas experiências sobre ser negra e sobre ser mulher. 

Elas se encontram também por meio da ancestralidade e por meio da herança de uma atmosfera musical e cultural rica, herdada da conexão em África. Esse encontro foi um processo empírico de construção de uma narrativa coletiva negra e artística sobre resistência.

Transgressão ao racismo

A idealização de Diaspóricas é fruto da pesquisa de doutorado da Ana Clara Gomes Costa, que aborda micropolíticas do dia-a-dia e táticas cotidianas de resistência e transgressão de mulheres negras para superação do racismo, do sexismo e de outras formas de opressão oriundas do sistema capitalista. Ana Clara, que é doutoranda em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), dirigiu e roteirizou a websérie.

“O propósito de Diaspóricas é sair do lócus de impossibilidades e violências outorgados à população negra, e fomentar narrativas para além do racismo, que não fixem nossos povos e comunidades nesse papel de passividade diante de violências e opressões estruturais. Há uma necessidade pulsante de evidenciar que a transgressão é o que marca a história do nosso povo que vive em diáspora e não a violência”, conta a diretora.

Há uma necessidade pulsante de difundir as formas de resistência que mulheres diaspóricas constroem para sobreviverem a uma sociedade racista, sexista, classista e lgbtqia+fóbica, no empenho de transformações sociais. Cada vez que essas são protagonistas e ocupam espaços soa como um levante a outras mulheres negras e LGBTQIA+, público-alvo que acompanha a série.

Coletivizar narrativas de resistência é um convite para que mais mulheres, nas suas pluralidades subjetivas, assumam protagonismos diversos. Porque quando mulheres diaspóricas criam mecanismos de transgressão, elas promovem transformações sociais aos seus povos e a suas comunidades, fato que incide fortemente na conquista de direitos a minorias sociais e na perda de privilégios das classes dominantes.

Toda a primeira temporada da websérie Diaspóricas está disponível gratuitamente no Canal Diaspóricas, no YouTube.

Episódio 1 – Pra coroar | Érika Ribeiro

Episódio 2 – Tecnologias ancestrais | com Nina Soldera

Episódio 3 – Figuras de referência | com Sonia Ray

Episódio 4 – Reconexões | com Lene Black

Episódio 5 – Direito de voar | Encontro musical de Érika, Nina, Sonia e Lene

Fotos: Mayara Varalho

Matéria anteriorPróxima matéria

Assine a nossa newsletter